Translate

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Apenas Sinta-me

Tenho sede da vida; 
Não anseio acertar o alvo sempre; 
Quero obedecer a mim mesmo; 
Não tenho senhores, não temo senhores; 

Não sou um homem triste; 
Por, meus desamores; 
São eles que alimentam a alma vazia; 
Pois, o amor é vazio, tão vazio, que cabe muita gente dentro; 

Tão cheio que transborda, A mentira que carregas dentro de ti; 
Como se pode sentir falta de algo, que nunca possuiu; 
Como se pode saber, que o espinho que perfura a carne é doloroso; 
Antes de senti-lo, na pele, na carne, cravado até os ossos; 

Somos feitos de pedaços, que foram juntados, ao longo dos anos; 
Uns sorriram mais outros sofreram mais; 
Sempre mais, sempre mais; 
Porque o mais, nos faz pensar que nada é pequeno; 

Olhem para mim; 
Eu escrevo, para ouvir minha alma chorar; 
Muitas vezes sorrir; 
Rasgo as folhas das poesias, como se precisa-se emendá-las novamente, como se juntasse a mim mesmo; 

Ainda não encontrei o motivo e o lugar; 
Onde eu não precise de motivos, onde os sentimentos escorram de mim, e os desejos não precisem de vontades; 
Não preciso que deixes o caminho livre, para mim, sei me desviar; 
Apenas não me diga vem por aqui; 

Muitos podem não me entender; 
Basta saber usar, não, a sua inteligência; 
Apenas sinta-me...